quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

4

A penúltima forma [poema] - Sonia Regina



A beleza está - não consta.

Nem tudo que traz em si o sentido se faz escutar,
nem todas as palavras se prestam à manipulação.
Tampouco a escrita precisa ser lacônica, para ser íntima

Escuta o teu coração:
ele também bate em meio à multidão,
há verões sem lua e sem estrelas

Não procura pretextos; é suficiente tentar,
nesse tempo que se amortiza célere

Ao todo embaralhado oferece um outro ponto de vista,
sem oposições ou justificativas em nome da arte

O teu falatório te contamina, e faz eco.
Não percebes suas elipses longas e a viagem de volta?
És teu feroz bumerangue!

Bom seria se pudesses saltar desse quadro no qual já não cabes.
Criador e criatura, desenhaste o declive e por ele escorregaste.
Não fluíste somente para dentro de ti:
tu te esparramaste como uma massa disforme, sem fixação possível


A beleza que quiseste  aprisionar em teus versos
alojou-se  nas falsas mentiras que não carregaste sobre os ombros,
não suaste, não entendeste como multiplicar

Não é espelhando significados que chegarás à carne.
Essa é a metáfora que não escreveste.

Sonia Regina
26.1.10


Imagem: Asik Asik

4 comentários

Bruna Maria

Olá, Sonia Regina.
Seu poema é muito bem trabalhado. Não acredito que seja para uma só leitura, ele exige releituras e muito pensamento. Parabéns!

Estou conhecendo o blog agora. Alguns autores (como Paola Rhoden, Jorge Xerxes...) acompanho no Portal Literal. Vou adicionar o link de vocês no meu blog. Um grande abraço a todos!

anamerij

Sonia, já lhe enviei um comentário inicial sobre esse poema, conforme dito acima, merece muitas releituras, aliás, tudo que vc. escreve, sempre vejo assim, leio e releio, a cada olhar novas imagens, novas descobertas. Entre meus poetas prediletos, vc. está na galeria dos preferidos.
Bjs, nanamerij

sonia regina

Bruna, já falamos lá no Portal Literal - já agradeci e pedi que não pense muito sobre meus poemas. Sinta-os e se não der, me avise para eu mudar. Prefiro chegar ao sentimento que ao pensamento.

Estamos abertos a colaborações, se quiser vir é bem-vinda!

Bjs gratos pela visita
da Sonia

sonia regina

Nana, obrigada. Saiba que este poema começou a partir (e tomou outro caminho) do que escrevi no teu blog
http://umdedodeprosa-nanamerij.blogspot.com/ comentando teu magnífico opus poético: "A beleza que vem nos teus versos, Nana, toma a gente, nos fala e brinda conosco, entranha-se na pele como um aroma."

Só te peço um favor, poeta que admiro a escrita e sensibilidade: se algum poema que vc ler só te produzir pensamentos e não emoções, me avisa. Não quero falar às mentes e sim aos corações.

Muitos beijos
da Sonia