segunda-feira, 26 de setembro de 2016

0

Jorge Xerxes versus Philip K. Dick

          

Enquanto eu sofria um desmaio súbito – e sem nenhuma causa aparente – D. e P. estavam reunidos noutro canto da cidade, discutindo como reduzir os seus gastos com o meu salário, como forma de maximizar os dividendos para as suas respectivas empresas. Ser funcionário terceirizado tem dessas coisas. Dois chefes, duas empresas que precisam fechar o mês no azul. E Você, além de ter de trabalhar com o que quer que te mandem fazer, precisa também fechar o mês no azul, para sobreviver.
        
Foi no início do mês de agosto de 2016 que eu tive a infeliz ideia de iniciar a leitura da obra “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos” de Emmanuel Carrére, recém publicada pela Editora Aleph aqui no Brasil. Para quem não sabe do que se trata, “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos” é a controvertida biografia do escritor Philip K. Dick (PKD).
        
O estadunidense Philip K. Dick – falecido aos 53 anos no dia 02 de março de 1982 – escreveu “Ubik”, “O Homem do Castelo do Alto”, “VALIS”, “O Homem Duplo”, dentre muitas outras obras que deram novo significado ao gênero da ficção científica. Grandes sucessos do cinema como “Blade Runner”, “Minority Report”, “Total Recall”, “Screamers”, “Paycheck”, “Impostor”, “Next”, “A Scanner Darkly” e “The Adjustment Bureau” são adaptações dos livros de PKD.
         
Até aí tudo bem, e Você pode estar pensando: este tal Philip K. Dick era um sortudo. Acontece que não é bem assim: PKD teve uma vida muito difícil. Ele tinha grande dificuldade em se relacionar com as pessoas, era esquizofrênico, paranoico e hipocondríaco, tendo sido internado duas vezes por acessos de loucura. Apesar da genialidade manifesta em suas obras, morreu praticamente desconhecido, tendo sofrido restrições financeiras ao longo de sua vida – uma condição bastante distinta do glamour que seu nome exerce no meio literário, naquele do cinema ou da ficção científica dos nossos dias.
          
Por mais triste ou depressiva que seja a vida de Philip K. Dick, pode ainda assim ser uma ótima estória, especialmente por se tratar da história de um dos maiores escritores de ficção científica. Mas o momento não era bom. E o tempo estava a favor dele, e não a meu favor.
          
O câncer neuroendócrino (NET) é maligno. O tumor NET de grau 3 acontece em 20% das ocorrências, sendo as suas principais vítimas do sexo masculino. Patologias associadas são esporádicas. Se o câncer apresenta-se em um tumor único, variando de 2 a 5 centímetros, especialmente no pâncreas, o prognóstico é pobre. E a morte iminente.
             
Eu vinha fazendo muitos exames e consultas, em médicos de diferentes especialidades, para a investigação das causas de dois desmaios súbitos. Não poderia haver momento mais inoportuno para a minha convalescença: a crise econômica em alta e a empresa reduzindo pontualmente o seu quadro. Eu, por ser terceiro, estava literalmente com o cu na mão.
             
Como não havia o que fazer, eu lia “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos” de Emmanuel Carrére nas salas de espera dos consultórios. Foi quando aconteceu: eu recebi o diagnóstico de um câncer neuroendócrino na mesma semana em que P. e F. me convocaram para uma reunião. Eles aventavam a possibilidade da mudança de uma empresa para outra, falavam da crise econômica, formas de se reduzir a carga tributária e blá, blá, blá, blá. Eu, com o pensamento longe, só torcendo para que estivesse adormecido, para que tudo aquilo não passasse de um simples pesadelo. Mas que nada, esta era a minha realidade e eu tinha de encará-la de frente. Ponto para Philip K. Dick.
            
Tumores múltiplos de até 2 centímetros caracterizam o câncer neuroendócrino de grau 2. Esta variante é responsável por 10% das ocorrências do NET, sendo igualmente observada em homens e mulheres. Geralmente estão associadas a outras patologias, dentre as quais Zollinger Ellison e MEN-1. O prognóstico, na maior parte dos casos, é bom.
            
Então eu tomei a firme decisão de continuar trabalhando e não revelei o diagnóstico aos meus colegas de empresa – apesar das minhas escapadelas para as consultas médicas e os exames, que estavam me levando às raias da loucura. Confesso que a leitura de “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos”, naquele momento em específico, não contribuía em nada para serenar os meus ânimos. Muito pelo contrário. Ainda assim, levei ao extremo a convicção de não esmorecer.
             
O auge da minha ansiedade ocorreu na segunda semana de setembro, enquanto eu aguardava o resultado da tomografia computadorizada de abdome superior, feita com contraste, cujo laudo informaria se eu tinha focos de NET espalhados pelo corpo ou, se no meu caso, este estava restrito a um único órgão. E nessa semana eu me senti particularmente próximo de PKD.
              
Um ou múltiplos tumores de tamanhos inferiores a 1 centímetro caracterizam o câncer neuroendócrino de grau 1. Esta variante da doença responde por 70% dos casos, sendo a sua ocorrência predominante no sexo feminino. O tumor NET grau 1 está associado à gastrite crônica atrófica e à anemia perniciosa.
             
Para a minha sorte, era este o meu caso: um único e pequeno tumor NET de grau 1, identificado e retirado através de endoscopia. Ponto para mim. Agora, já próximo ao final do mês de setembro, com o início da primavera e o termino da leitura de “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos”, experimento a sensação de renascimento, de esperança renovada.
             
Philip K. Dick, eu estou vivo e é Você quem está morto! (Você venceu esta batalha, Jorge Xerxes, mas eu ainda vou trazê-lo para junto de mim! Parece que posso ouvi-lo sussurrar ao meu ouvido).
            
Independente dessa nossa disputa, eu me curvo ante a genialidade de PKD e ao ótimo livro de Emmanuel Carrére, que me acompanharam nos últimos dois meses. Apresento, a seguir, alguns trechos colecionados dessa aventura, que podem não significar nada para muita gente, mas representam muito para mim.
            
*    *    *
            
Ele brincou um momento com a ideia de trocar seu cérebro, durante o tempo de um livro, pelo cérebro de Nixon, depois abandonou a ideia: Phil Dick acordando um belo dia na pele do senador da Califórnia e este, na pele de um escriba de Berkeley, o que certamente daria uma bela história, fértil em repercussões. Mas não era nisso que ele pensava. Num manual de filosofia, ele tinha descoberto a distinção entre o idios kosmos, a visão singular do universo que cada um de nós leva dentro da cabeça, e o koino kosmos, que passa pelo universo objetivo. Enquanto falamos da “realidade”, nos referimos por comodidade ao koino kosmos, mas este não existe, propriamente falando: sua percepção resulta de um acordo convencional entre os homens, desconfiados de que suas relações se desenrolam sobre um terreno estável; é uma espécie de ficção diplomática, o menor denominador comum entre o meu idios kosmos e o de meus vizinhos.
               
Na verdade, sua ideia não era trocar o seu idios kosmos pelo de outra pessoa – correndo o risco de nem se dar conta disso, pois ele seria essa outra pessoa, e não mais si próprio –, mas visitar o idios kosmos de outra pessoa sem se desfazer do seu. De nele viajar como se fosse um país estrangeiro. Ele precisaria só de um artifício para possibilitar essa viagem, e o gênero com que ele trabalhava tinha pelo menos a vantagem de lhe permitir uma profusão dessas coisas. Na mesma noite, ele digitou essas linhas, um notável apanhado daquilo que, em ficção científica, é capaz de persuadir parte importante do público cultivado a se arriscar até a página seguinte:
               
“Em 2 de outubro de 1959, o defletor do feixe de prótons do Bevatron de Belmont sofreu uma avaria: um arco de 6 milhões de volts disparou rumo ao teto da sala, queimando tudo o que estava no caminho, em especial a plataforma de observação sobre a qual estavam oito pessoas. Elas caíram no chão e nele permaneceram, feridas ou mergulhadas no coma até que o campo magnético foi interrompido e as radiações mais rigorosas foram parcialmente reabsorvidas.”
            
*    *    *
               
Como romances em que o herói é um escritor despertam legítima desconfiança dos editores, ele mudou de nome e de emprego em “O homem mais importante do mundo”. Há muitos anos, depois de ter obtido sucesso pela primeira vez, Ragle Gumm ganha a vida respondendo às perguntas de um concurso organizado pela gazeta local e intitulado “Onde estará o homenzinho verde amanhã?”
              
*    *    *
             
Ele também tinha lido numa revista de vulgarização o registro de uma experiência psicológica: são traçados dois riscos num quadro negro, o primeiro deles, A, claramente mais longo que o segundo, B. Depois o quadro é mostrado a um grupo de cinco pessoas ao qual se pede para que digam qual é o mais longo, A ou B. Depois de todo mundo gargalhar diante de um teste ridiculamente fácil desses, cada um responde. Quatro membros do grupo, cúmplices do pesquisador, afirmam, contra as evidências, que B é mais longo do que A. O quinto membro, que na verdade é o sujeito da experiência, acaba, invariavelmente e à custa de um grande transtorno psíquico, por rejeitar o testemunho dos seus sentidos e se une a opinião geral. É esse tipo de experiência que os Estados totalitários levaram à grande escala. Eles desenvolveram a capacidade de mostrar uma cadeira para uma pessoa e fazê-las dizer que é uma mesa. Melhor: de fazê-las acreditar nisso. Desse ponto de vista, aquilo que ele, impulsionado pelo oráculo, tinha contado em seu livro, não era de todo absurdo. Tinha inclusive atingido uma verdade profunda.
               
*    *    *
                 
Como o oráculo havia previsto, “O homem do castelo do alto” foi o primeiro sucesso de sua carreira: ele ganhou o prêmio Hugo, a mais importante recompensa que um autor de ficção científica americano pode esperar.
            
*    *    *
            
Depois que um oráculo de 5 mil anos de idade lhe havia assegurado a “verdade interior”, ele mergulhou de maneira metódica no labirinto do seu idios kosmos. Sua “idiotice” pessoal agora se organizava em torno da intuição de que não só é impossível apreender o real diretamente, posto que passa pelo filtro da subjetividade de cada um, mas que o consenso um pouco generalizado em relação a isso resulta de uma enganação. Aquilo que todos os seres razoáveis concordam em considerar realidade, para além de suas diferenças de percepção e julgamento, não passa de uma ilusão, um simulacro forjado ou por uma minoria para se aproveitar da maioria, ou por uma potência exterior para se aproveitar de todo mundo. O que chamamos de realidade não é a realidade.
                 
*    *    *
                 
Então, um psiquiatra melífluo lhe apresenta uma tese em voga, segundo a qual o autismo e a esquizofrenia são, de modo geral, problemas da percepção do tempo: o que distingue a existência do esquizofrênico da nossa é que ele tem tudo, quer queira ou não – como se todo o rolo do filme a que assistimos desfilando imagem atrás de imagem tivesse lhe caído na cabeça. Para ele, a causalidade não existe, e sim, em seu lugar, esse princípio de conexão desprovido de causa que Wolfgang Pauli chamou de “sincronicidade” e pelo qual Jung, substituindo um enigma por outro, pretendia explicar as coincidências. Como uma pessoa sob o efeito do LSD ou como Deus, por mais que se conheça a maneira do seu idios kosmos, ele está mergulhado num presente eterno. A realidade lhe chega num bloco: uma espécie de acidente de carro perpétuo, que segue persistindo e persistirá para sempre. De certa maneira, é possível defender que um esquizofrênico tem acesso àquilo que chamamos de futuro.
                 
*    *    *
                 
No romance, a crise se produz quando o blade runner, por motivos mais eróticos do que evangélicos ou turingianos, começa a sentir empatia por uma de suas presas, mais precisamente por uma dentre elas. Essa falha profissional é, ao mesmo tempo, facilitada e agravada por um novo dado: os fabricantes pregaram uma peça particularmente viciosa nos androides mais sofisticados, implantando em seus programas uma memória fictícia que faz com que eles acreditem que são humanos. Eles têm lembranças de infância, impressões de dejá-vù e emoções como os homens. Nada os distingue do lado de fora, tampouco do lado de dentro. Eles simplesmente não sabem. E quando se tornam suspeitos e são submetidos ao teste, ficam danados como qualquer um de nós ficaria. “Você vai me dizer a verdade, hein? Se eu for um androide, você vai me dizer?” É curioso encontrar na pluma de um escritor de ficção científica, além de um deplorável estilista, esse tipo de trechos memoráveis que causam não só arrepios, mas também a certeza de tocar em algo essencial, fundador. Entrever um abismo que faz parte de nós e que ninguém tinha sondado. Blade Runner comporta um desses instantes: o grito de horror do androide que descobre a sua condição. Um horror absoluto, sem remédio nem consolação, a partir do qual tudo se torna monstruosamente possível.
                
*    *    *
                 
Essa caixa de empatia, instrumento de um culto clandestino na sociedade policial onde se pratica também a caça de androides, tem a aparência de um pequeno televisor com punhos. Aquele que puxa os punhos e se inclina sobre a caixa logo assiste a uma cena cuja repetição consiste no núcleo do culto: um homem velho, do qual a única coisa que se sabe é que se chama Mercer, escala com dificuldade o declive de uma montanha e, ao longo dessa subida, é apedrejado. Mas um adepto do “mercerismo” não se contenta em apenas assistir, ele tem que participar. São os seus pés que se embaralham sobre o chão acidentado, a sua carne é atingida pelas pedras, a sua alma que está triste a ponto de morrer e, no entanto, também está inexplicavelmente feliz. Ele se funde em Mercer e também em todos aqueles que puxaram os punhos de sua caixa de empatia simultaneamente na Terra e nos planetas colonizados. Ele sente os outros ao redor de si, igualmente sofredores e exultantes. Ele os incorpora. A fusão com Mercer, percurso da cruz e da comunhão com os santos, é o exato oposto da tradução sob o controle de Palmer Eldritch: ela não isola, mas une; não traz perdas, mas salvação. E sempre se renova. Ao chegar no topo da montanha, Mercer cai e agoniza. Levado ao sepulcro, ele torna a se levantar. “Sempre, e nós junto com ele”, diz o herói maravilhado. “É isso que faz com que nós também sejamos eternos.” Tudo isso desagrada sobremaneira o poder temporário, que considera o culto ilegal, persegue seus adeptos e conduz uma vigorosa campanha ideológica contra sua fé. Colocando uma caixa contra a outra, logicamente o instrumento dessa campanha era a televisão, cujo apresentador queridinho, Buster Gente Fina, ridiculariza noite após noite, essa pulsão masoquista que leva os mercerianos a fugir da realidade para sofrer em conjunto. Se fosse para viver um momento agradável, vá lá, mas levar pedradas e partilhar das tristezas de milhares de desconhecidos ultrapassava o seu entendimento, ainda mais considerando que era tão simples ajustar mecanicamente o seu humor para ter uma alegria permanente ou até mesmo uma boa e velha depressão laica. Por volta do fim do romance, Buster Gente Fina chuta o pau da barraca ao revelar, com provas à mão, que o mercerismo é um embuste, o ópio do povo forjado pelo governo que, maquiavélico, organizou sua proibição somente para impulsionar ainda mais o consumo. A cena da montanha é gravada em estúdio e transmitida por um canal diferente do programa televisivo, mas tem a mesma natureza. O próprio Mercer, cujos sectários se perguntavam no começo se era de fato um homem ou uma entidade arquetípica qualquer introduzida na cultura terráquea por uma insondável vontade cósmica, não passa de um ator alcoólatra de quinta categoria, sobrevivente de séries de televisão moribundas e que, para fazer o papel de sua vida, molestado por pedras de borracha e sangrando ketchup, só sofreu mesmo, durante as filmagens, o desmame de uísque. Com esses pesados gracejos de Buster Gente Fina, toda a esperança religiosa do homem parece estar arruinada. Entretanto, não é bem assim. Numa cena realmente magnífica em que Dick transpõe o encontro de Emaús, Mercer aparece para um desses discípulos, um blade runner prostrado diante da caixa de empatia que agora preenche o chuvisco da televisão quando os programas se encerram, explicando-lhe tranquilamente que tudo o que o Buster Gente Fina dissera era verdade, tudo mesmo, incluindo o detalhe do uísque, que foi uma abstinência muito desagradável para o velho ator acoólatra, mas que isso não mudava nada. Absolutamente nada. “Porque você está aqui e eu estou aqui.”
                
*    *    *
                 
Nesse ponto da discussão, o bispo assumia um ar incomodado de quem hesita em desenganar uma criança que acredita em Papai Noel. Acompanhado de Maren, ele ia a Londres a cada dois ou três meses para encontrar John Allegro, um exegeta que representava a Grã-Bretanha na equipe internacional encarregada de estudar e publicar os Manuscritos do Mar Morto. Ele voltava de cada uma dessas viagens ao mesmo tempo destruído e hiper-excitado, portando verdades escandalosas. De acordo com as últimas novidades que ele comunicava com temor e deleite ao mesmo tempo, parecia mesmo que os Evangelhos eram um embuste, e, Jesus, o epígono da seita dos essênios em torno do qual um bando de judeus malandros havia construído uma fraude colossal. Diante dessas revelações – “científicas”, insistia o bispo, o dedo indicador erguido –, Dick se viu no papel de defensor dos dogmas, algo que não desagradava nem o seu espírito de contradição, nem seus votos mais profundos. Às investidas de seu amigo, ele respondia igual a Mercer: “Tudo bem, mas, mesmo que seja verdade, isso não muda nada. Você me leva a pensar naquele universitário segundo o qual Hamlet não foi escrito por Shakespeare, mas sim por um sujeito que tinha o mesmo nome. Se você acredita que Cristo era o filho de Deus, que Ele ressuscitou e matou a morte, sempre podemos lhe provar por a + b que Ele não passava de um personagem de segundo plano ou até mesmo que Ele nem existiu – isso não muda absolutamente nada. Você tem toda a razão em buscar a verdade, mas deveria saber que a verdade é Ele. Caso contrário, todas as suas resoluções significam apenas que você não acredita n’Ele, ou seja, que você é ignorante.” O bispo devia confessar que não tinha mais tanta certeza assim de acreditar na religião à qual servia. E que isso o deixava inquieto.
                
*    *    *
                 
Quando essa ideia lhe ocorreu, Dick ficou aterrorizado. Porque aquela substância miraculosa que ele tinha apresentado como um inencontrável produto de consumo corriqueiro, como um pertinente paradoxo, não representava a seus olhos apenas comprimidos capazes de restaurar o domínio do mundo, mas sim, e de maneira muito mais profunda, a potência redentora que nos prende às garras da entropia, à perversidade do demiurgo, à morte. Ele se divertia – cada um diverte seus cupins como pode – colocando na epígrafe de cada capítulo do livro um slogan publicitário vangloriando uma das diversas virtudes do produto, à moda de Runciter: “A melhor forma de pedir uma cerveja é gritar Ubik.” “Ubik instantâneo possui todo o sabor fresco do café recém-coado.” “Desperte para Ubik e seja extraordinário.” “Se você está se sentindo no fundo do posso por causa das preocupações com dinheiro, fale com a moça da Ubik Poupanças & Empréstimos.” “O novo sutiã Ubik extra suave e o sutiã especial Ubik longline significam ‘erga os braços e fique mais curvilínea na mesma hora!’” “Será que tenho mau hálito, Tom? Ed, se está preocupado com isso, experimente o novo e atual Ubik, com ação espumante germicida.” Mas, ao chegar ao final, em vez de fazer um pastiche da Madison Avenue, ele recorreu ao prólogo de São João (e a um pouco do primeiro poema do Tao Te King): “Eu sou Ubik. Antes que o universo fosse, eu sou. Eu fiz os sóis, eu fiz os mundos. Eu criei a vida e os lugares que elas habitam. Eu as transfiro para cá, eu as ponho ali. Elas seguem minhas ordens, fazem o que mando. Eu sou o verbo e o meu nome nunca é dito, o nome que ninguém conhece. Eu sou chamado de Ubik, mas este não é o meu nome. Eu sou. Eu sempre serei.”
                
*    *    *
                 
Em pânico ele escreveu o final do livro. Nada além de uma corrida tresloucada, batizada por mortes e metamorfoses atrozes, ao longo da qual Joe Chip tenta, ao mesmo tempo, colocar as mãos num frasco de Ubik ainda isento de regressão e identificar as forças que disputavam aquele limbo. “Acho”, disse a si mesmo, “que não encontramos nosso inimigo cara a cara, nem nosso amigo.” Dick se perguntava que rosto daria a esse Amigo, do qual Runciter era apenas um representante: jovens e caridosas mulheres percorrem a meia-vida, trazendo consigo um pouco de Ubik e uma frágil esperança, antes de desaparecer num sopro. Elas deixam poucas lembranças. Por outro lado, ele sabia muito bem que, tivesse o Inimigo o rosto que fosse, ele tinha cruzado várias vezes em sonho com seu olhar angustiante e cruel de um roedor psicótico. Em Ubik, ele lhe deu o nome de Jory. Trata-se de uma criança morta na tenra idade que foi colocada em situação de meia-vida no Moratório Entes Queridos. Dotado, por causa de sua juventude, de uma energia encefálica maior do que os ocupantes dos outros caixões, ele se vale da fusão entre os seus fluxos mentais para devorá-los literalmente, como um emissor de rádio mais potente faz com seus vizinhos de freqüência. A seu bel-prazer, ele molda o universo onde essas consciências se movem para torturá-las, enganá-las e atraí-las a um canto da imensa teia tecida para recebê-los. Morto, ele sobrevive e aumenta a potência da morte ao absorver o que resta de vida dos outros mortos. E essa criança era um gêmeo.
                
*    *    *
                 
Nancy não agüentava mais suas crises, as drogas, o medo de ficar louco. Ela própria estava sentindo próxima a reaproximação de sua depressão. Em setembro, partiu, levando com ela a filha Isa. Então com três anos de idade, a pequena viu, pelo vidro do banco de trás, seu pai correndo atrás do carro e sua silhueta se apequenando, depois viraram a esquina e ela não mais o viu.
                
*    *    *
                 
Ao fim de duas semanas, acharam que ele tinha esfregado privadas o bastante e, como tinham por princípio de usar as capacidades de cada um da melhor forma possível, ele foi parar detrás de uma máquina de escrever. Num currículo, aquilo que ele fazia pelo nome de relações públicas: compilava relatórios sobre as atividades de X-Kalay, classificava recortes de matérias sobre problemas com drogas e escrevia cartas solicitando a generosidade de eventuais doadores. Em seus momentos livres, desenvolvia uma teoria sobre o funcionamento do centro que, segundo ele, abrigava um laboratório onde se fabricava heroína. A mesma mão distribuía o veneno e o contraveneno, a fim de criar um novo tipo de indivíduo: o cidadão dócil e alienado da sociedade do futuro, transformado em escravo pela organização, que lhe ensinava a amar e odiar o único mestre capaz de protegê-lo. E Dick tinha se tornado uma das engrenagens dessa organização, ocupando um maravilhoso posto de observação. Vestido com uma blusa branca, ele vistoriava os corredores com um ar desenvolto e abria todas as portas na esperança de encontrar um acesso ao tal laboratório clandestino. Suas desconfianças não o impediam de, a cada vez que cruzava com um membro da equipe, exprimir sua gratidão de maneira calorosa e sincera: pela primeira vez na vida ele se sentia útil; tinha encontrado uma família; se o quisessem ali, ele ficaria em X-Kalay a vida toda, dando o melhor de si para os pobres drogados, seus semelhantes, seus irmãos.
                
*    *    *
                 
Até onde conseguia remontar, ele sempre afastara com todo o seu ser a ideia de que aquilo que lhe acontecia poderia ser fruto do acaso, uma dança de elétrons desprovida de coreógrafo, meras combinações aleatórias. Para ele, tudo precisava ter um sentido, e toda sua vida tinha sido vivida e escrutinada em função desse postulado. Ora, a partir da ideia que tudo tem um significado escondido, esbarra-se fatalmente na concepção de uma intenção. Quando a vida é encarada como um desenho, logo se chega a vê-la também como uma execução de um plano, questionando quem seria o responsável por seu traçado. Essa intuição que nos acomete a todos de maneira mais ou menos vergonhosa atinge sua medida plena em dois sistemas de pensamento: o primeiro era a fé religiosa e o segundo, a paranóia; e, por ter experimentado as duas coisas, ele duvidava cada vez mais que houvesse uma diferença entre elas. Calejado, ele não queria acreditar mais que o real era o disfarce de uma outra coisa, uma tapeçaria que, ao tecer, vemos somente a parte de trás, mas cuja parte da frente nos será um dia revelada, na glória. Ele tinha percorrido longamente a ladainha de São Paulo e do Ursinho Pooh: “Agora estamos nos vendo num espelho sombrio, mas um dia chegaremos a ver e seremos vistos face a face... Estaremos noutro ponto da floresta, onde sempre haverá uma criança com seu urso.” Tinha chegado a hora de fazer as pazes com a áspera sabedoria de Lucrécio: “Não sentiremos mais nada porque não sentiremos mais”; não existirá mais ninguém para ser visto frente a frente à luz plena, e aquilo que agora se acredita estar vendo num espelho sombrio não passa de nosso reflexo deformado pelo medo de morrer e de ter sofrido sem razão. Por mais que, nas sociedades agnósticas modernas, esse materialismo faça as vezes de expressão oficial do bom senso, ele sabia que poucos eram os homens que, no fundo do coração, se resignavam verdadeiramente a isso de tanto que seus desejos tinham sido feridos. Apesar de tudo, queremos acreditar em algo, encontrar um sentido. A contragosto, ele tinha aprendido até onde isso pode levar: seu dever agora era alertar seus semelhantes. Quando vinham entrevistá-lo, ele exibia essa nova teoria sobre o real, sobre a qual todas as teorias sobre o real são vãs, falsas e puramente sintomáticas. O real é simples, só isso, compacto e idiota como uma pedra. Não existe um fundo falso. Nós sentimos a necessidade de observar e deduzir regras a partir disso para conseguir funcionar na nossa vidinha de todo dia, mas é preciso parar por aí e admitir que a maioria dos acontecimentos se dão por acaso. Com a mesma veemência que antigos stalinistas ou padres excomungados se punham a desancar suas antigas igrejas, ele citava milhares de exemplos de condutas que trazem consigo a mania de procurar um sentido onde não há.
                
*    *    *
                 
Convivendo com a familiaridade lúcida de seu mal, como acontece a alguns grandes doentes, ele fazia uma distinção bastante clara entre: 1) escrever sobre como organizações iguais à X-Kalay na verdade escondem laboratórios clandestinos para produção de drogas ou como Nixon era comunista; 2) acreditar nisso; 3) acreditar que isso era verdade. Ele considerava possível escrever a respeito, na medida em que era autor de ficção científica e que esse ofício consistia justamente em imaginar essas hipóteses, mas achava condenável acreditar nelas. Ele tinha entendido que, acima de tudo, podia acreditar em alguma coisa sem que ela fosse de fato verdade, por que ele não só era escritor de ficção científica, como também um paranóico confirmado e, portanto, tendia a confundir o mundo real com o mundo de seus livros. Ele sentia orgulho dessa lucidez e estava decidido a apoiar-se nela, mas isso não impedia que ele achasse a vida morna sem esse artifício, como costuma acontecer aos sobreviventes de um vício. O último capítulo de Dom Quixote mostra o cavaleiro de triste figura curado de sua loucura e morrendo por causa disso. Durante sua agonia, ele profere discursos tão emocionantes quanto sensatos, celebrando o bom senso de Sancho Pança e maldizendo os romances de cavalaria. É um dos capítulos mais tristes da história da literatura.
                
*    *    *
                 
“Eu sei que você não é mau caráter”, ele reconhecia; “sei que você dá aos pobres, que envia cheques para associações de caridade, que o sofrimento das crianças e dos gatos pode levá-lo às lágrimas. Mas isso não muda em nada o fato de que você continua sendo incapaz de demonstrar empatia. Por mais que você queira e reze, não tem um acesso maior ao outro do que tem ao mundo real e sensorial, à verdadeira vida, da qual um vidro impermeável continua te separando. É isso, o pecado moral, e não é sequer culpa sua. Você é mais vítima do que culpado. O pecado não é uma escolha moral, mas sim uma doença do espírito que o condena a se restringir ao seu próprio comércio, ou seja, a eterna repetição. Você foi atingido por essa doença, constrangido a residir confinado no labirinto do seu cérebro. Você nunca ouve, ouviu ou sequer ouvirá outra coisa senão as fitas magnéticas nas quais sua voz se imprime e se esvazia, em circuito fechado. Não crie ilusão para si mesmo: é ela que você está ouvindo neste exato momento. É ela quem te diz isso. Às vezes você se deixa enrolar, pois para suportar essa voz você teve aprender a forjar outras, fazê-las ecoar, realizando verdadeiros colóquios enquanto ventríloquo. Mas, na realidade, você está sozinho, assim como Palmer Eldritch no mundo que ele esvaziou de substância e cujos habitantes carregavam os seus estigmas.
                
*    *    *
                 
Não tenho como garantir que você esteja errado ao não acreditar em mim, mas posso garantir que você também não teria acreditado em São Paulo. Você teria dado de ombros, falado em epilepsia ou num acesso de um doidivanas, assim como um bando de judeus devotos e gregos cultivados. OK, não tenho nada a dizer contra isso. Também não tenho nada a dizer contra os ecologistas ferrenhos que, por mais que eu ache uma extravagância conceder às árvores e aos animais os mesmos direitos jurídicos que têm os homens, alegam que um tempo atrás não achávamos menos extravagante a possibilidade de conceder este mesmo direito às mulheres e aos negros. Não tenho nada a dizer contra as pessoas que, depois de admitir que aos olhos de nossos ancestrais as tecnologias modernas pareceriam magia, obrigam-me a admitir que as coisas que agora nos parecem ser inexplicáveis e perturbadoras, como você colocou muito bem, e as quais eu escondo embaixo do tapete com uma vassoura, um dia virão a integrar o campo da ciência: aqueles que hoje negam a percepção extra-sensorial teriam condenado Galileu no passado. Pessoalmente, eu desconfio disso.
               
               


                   
[ler na íntegra]

0

Pequenas histórias 244

Uma história real com pequenas pitadas de imaginação.

Julinho estava na calçada conversando com os amigos quando ouviu seu nome ser pronunciado. Do meio dos sons da avenida, captou a voz do amigo chamando-o. Virou a cabeça e a cabeleira loira foi jogada de um lado para o outro, fazendo-o se sentir numa onda de luz, como se estivesse num palco tendo sobre ele o holofote a iluminá-lo. Sorridente, ao ver o amigo que o procurava, dando prova da amizade que tinham um pelo outro, se virou com os braços abertos quando, aterrado, percebeu o projétil vindo em sua direção.
Estarrecido viu o sorriso triste do amigo, com um pé apoiando a bicicleta, e a mão empunhando o revolver em sua direção. Pode ver os belos olhos de Dinho chorando e dos seus lábios conseguiu ler:
- Desculpe amigo. Não posso fazer nada. É você ou eu.
Julinho ainda conseguiu ver o amigo se afastando rapidamente na bicicleta que ele lhe dera de presente. A bala penetrou na sua testa saindo do outro lado. Julinho não gritou ao sentir o impacto quente do projétil furando sua testa e arrebentando a nuca. Jogado para traz, caiu na calçada empapando a loira cabeleira de sangue. Sorriu ao ver a luz do poste iluminando-o. Sou feliz, pensou. Em seguida fechou os olhos calmamente.

Ricardo, Ricardinho ou Dinho para os amigos, descia a avenida pedalando o mais devagar possível. Queria prolongar o máximo que pudesse a angustia que arrebentava o peito. Chorando não conseguia entender o porquê fora escolhido para essa missão ingrata. Não podia fugir. Pensou em ir embora para outra cidade até outro estado. Sabia que não adiantaria nada. Seria alcançado pela Chefa. Caralho, agora que estava tudo bem! Estavam até arrumando o barraco para morarem juntos. Por que ele? Por que não outro? Não adiantava se martirizar tinha que fazer o serviço e pronto.

Arrumavam o barraco quando bateram a porta. Era o Miquelinho trazendo um recado da Chefa. Miquelinho tinha dez anos, era o mais novo da turma. Dinho tinha dezoito e Julinho dezesseis anos.
- A Chefa está te chamando, Dinho – disse Miquelinho com sua voz anasalada.
- Ok, estou indo.
O que ouviu dos lábios da Chefa, mulher de seus vinte e poucos anos, dona do ponto onde eles trabalhavam, deixou-o estupefato.
- Você precisa fazer um serviço para mim.
- Qual serviço chefa?
- Matar o Julinho.
- O que? Matar o Julinho?
- Sim, o Julinho.
- Por quê? Meu melhor amigo. O seu preferido de todos nós.
- Fiquei sabendo que ele está vendendo droga em outros pontos e ficando com o dinheiro para ele, e isso não admito.
- Mas...
- Não tem mas e nem menos mas, ou faz o serviço ou você morre. Escolhe.

Não tinha escolha, era a regra do jogo. O jogo do mais forte. Descia a avenida que naquela hora não tinha muito movimento. Já estava vendo o amigo com sua cabeleira loira, alegre como sempre. A única coisa que Dinho desaprovava no amigo era a mania de se vestir de mulher. Não era michê e nem travesti, era apenas uma forma de brincadeira. Era um porra louca como se dizia. Muitas vezes os dois entregando os folhetos das boates se divertiram a beça. Lamentou tudo agora era passado. Ficará no passado, disse seus olhos molhados de lágrimas. Parou a bicicleta bem em frente do amigo e chamou:
- Julinho.
E não esperou o amigo se virar. Ao mesmo tempo apertou o gatilho sentindo o coice da arma quando o projétil veloz foi buscar a testa de Julinho. Não esperou para ver o resultado, saiu o mais depressa que pode, pedalando freneticamente. Devido às lágrimas não enxergava nada, desejava sumir o mais rápido que pudesse. Tudo estava perdido mesmo, pouco importava a vida, pensou. Foi quando não viu o sinal fechar para ele. Atravessou o sinal e foi lançado longe por um caminhão jogando-o em cima do carro à frente. Seu corpo deu pirueta no ar e caiu em cima do vidro traseiro do carro cinza e escorregou para o asfalto, obrigando o motorista do caminhão a frear para não passar por cima dele.

Nota: a Chefa, por ser mandante do crime, pegou vinte anos de cadeia. Dona do ponto de trafego de drogas que tomou conta depois que o amante aidético faleceu, deixando-a com duas filhas aidéticas, usava os menores para vender a droga. A história é verdadeira, apenas inventei a relação entre os dois meninos: Julinho e Dinho.


pastorelli
[ler na íntegra]

sábado, 24 de setembro de 2016

0

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS




Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? Arranco o pâncreas pela goela desse um. O mingau de maizena vinha fumegando, polvilhado de canela. Nas mãos de Parkinson da velha Dita, que perigo. Agasalho doce antes de dormir, prêmio de quem fez lição direito. Diga às suas pernas que fico. E assim foi, ao me pedir para ficar só mais um pouco. Para mais uma. E outra. Torneira aberta e celular com toque baixo é jogo duro. Deixa fechar essa disgrama um pouco... Não, acho que é no vizinho. É, não tocou aqui, não. Fosse coisa séria ligavam no fixo também, notícia ruim chega logo. Tanta briga por causa de um escroto de um patinho de borracha. Pensar que aquilo era o conflito, quando havia. Professor Fausto lá, traçando na lousa seu tabuleiro feudal, falando da colcha de retalhos e da monarquia de Habsburgo. Tá demorando muito pra escoar essa água, cadê o diabo verde? Só queria o segredo de lidar contigo, juro mesmo. Esse inquérito todo, pra quê... não ganharia nada te escondendo a verdade, procura compreender meu lado. Ah, dessa vez acho que é o meu celular.

A louça, agora seca. A alma, agora lavada. 


© Direitos Reservados

[ler na íntegra]

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

0

Eu desço nesta estação


        
dizem dos tempos de agora 
remotos, imprevisíveis dias 
o que antes era rotina: 
estação 
das trilhas entre possíveis caminhos 
quando prima Vera chegar 
trazendo alento, vida 
amor no coração 
           
            
[ler na íntegra]

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

2

A EXISTÊNCIA É UM AFETO


O nome primeiro deste livro foi “Afeto sem o Filtro da Linguagem”. Título apontado pelo editor como longo e sentido por mim, uma das primeiras leitoras, como desconfortável. O que é tão importante em afetos, que não se deva passar pelo crivo da linguagem? Então o “filtro da linguagem” desmerece ou enfraquece o afeto? E, procurando na filologia uma definição pura da palavra afeto:
Afeto – do latim AFFECTUS: disposto, inclinado a; particípio passado de AFFICERE: fazer algo a alguém, usar, manejar, influir sobre. Forma-se de Ad-, a, mais Facere, fazer.
A ideia mais forte é a de um ato, um fazer, uma força e uma ação estão embutidas em afeto. Muitas palavras fazem o ato perder a força. Por isso usar a mesma linguagem para explicar a vontade de impossivelmente prescindir da linguagem. A linguagem explica coisas para nós mesmos, pois pensamos sobre e sabemos o mundo por meio de palavras, que falam conosco em nossa mente.
O autor do livro reconhece e entende as marcas da história e a força dessa palavra. Assim como a etimologia me deu pistas do meu incômodo com título longo. Mesmo sem fuga completa do código linguístico, o encurtamento do título nos põe diante do ímpeto desta palavra. Quanto menos é mais evidente a veemência da raiz facere, que sobrevive na letra “f” de afeto. Ele quis enfatizar algo presente antes da linguagem no ato de afeto.
Sugeri o plural da palavra por entender que as potências e as forças que nos marcam a vida são diversas. Existem diferentes qualidades e intensidades de afeto. Parar e pensar no significado da palavra me levou a associar ações a esse sentimento. Em afeto não cabem tantas idealizações como na palavra “amor”, por exemplo. Nós perdemos o imediato da ação que está escondido em afeto. No cotidiano nos referimos à palavra como um sentimento abstrato, de aspecto idílico, talvez na mesma seara de vocábulos como romance, pureza, benquerença ou ternura. Porém, ele guarda ação em seu gene e se liga a imagens de carinho, fazer carinho. Como se demonstram os afetos? Fazendo algo para agradar como o clássico doce da canção de Chico Buarque: “Com açúcar, com afeto fiz seu doce predileto”. Afeto é tempero qual açúcar, é o próprio ato de feitura do doce.
Triste para nós é termos trancado os sentidos de afetação e afetado em conceitos negativos. É impossível na linguagem corrente concordar que haja vantagens nas afetações ou em ser afetado. Mas a etimologia guarda o ato de fazer e, para lembrarmos desse lado, precisaríamos pensar em feitura, afetação, afeto positivos ou negativos, quando as usássemos.
Existe um fazer que parte de alguém e colide com, envolve, perpassa outro alguém, e isso deixará consequências em ambos. É uma experiência que produzirá imagens em todos. Nós vivemos à procura dessas experiências, buscamos marcas para a vida.  Vivemos sob as forças produzidas por tais encontros e causamos força e encontros em outros entes. Na filosofia de Baruch de Espinosa o afeto é o cerne da própria vida. É força motriz das histórias humanas.
Não existe experiência no Mundo, que não possa ser sentida. Por isso, o humano é razão e emoção. Toda ação, produz algum tipo de movimento, de impacto ou marca nos sujeitos participantes. Sejam agentes ou pacientes. Por isso não se deve olhar estanque para as relações, procurando sujeito e objeto. As experiências produzem imagens, que serão lembradas pelos atores da experiência, daí temos o conceito de afecção. É a lembrança, a recordação da experiência, que traz a racionalização e a sensação. E, por fim, existe o afeto que, para Espinosa, é um esforço para aumentar a nossa abrangência e potência de agir no Mundo. Eis a nossa busca, porém há afetos que diminuem nossa ação frente ao mundo.
Se as histórias dos livros contam tragédias familiares, torturas psicológicas impostas a si mesmo por pensamentos viciantes, que produzem assassinos ou memórias de tempos tidos sempre como melhores do que o agora, elas contam trajetórias de afetos neste mundo percebido e representado pela espécie humana. A Literatura é a história dos afetos, entendidos como a perseverança de nossa vivência no mundo.
Este livro passeia pelas várias maneiras de salvação do regular existir no Mundo, que são, na filosofia espinosana a persistência e perseverança em permanecermos. Regular porque me refiro ao viver natural e biológico, circunstanciado histórico e culturalmente, sem rompantes de heroísmos e maravilhas, como pode querer sugerir, nos últimos tempos, a palavra ‘salvação’. Ela equivale mais à sustentação do existir, como os personagens se compõem e se agenciam em inter-relações, a fim de se apresentarem mais fortes para a existência e outras interações futuras.
O tempo é absoluto nessas inter-relações e, como o autor bem chamou, “Os Dentes de Cronos” ferem toda carne vivente. Ele mostra sua relatividade ligada ao espaço, como em PASSA QUATRO, onde há modus operandi mais tranquilo, com participantes marcantes para quem sai da metrópole, como maria-fumaça, cegos tocadores de sanfona, violeiros, bois, vacas e montanhas. Essa crônica que abre o capítulo determina os afetos que sobrevêm quando vivenciamos espaços distintos (MÁQUINA DE ESCREVER ESCRITORES). Do ponto A ao B. As incisões ou arranhões que as viagens abrem para pensarmos nosso espaço mais rotineiro e comum, nossa casa, nosso trabalho. Os sentimentos voltam potencializados, como evidenciam DEDALEIRA, ABERTURA DO OLHAR, PÉ DE PÁSSAROS e ORDINÁRIO ESPECIAL.
A razão não é opositora da experiência afetiva, pois pensar se produz pela racionalidade e   produz sensações, assim como o ato de imaginar, de relembrar. Somos racionais e imaginativos e COISAS DE CRIANÇA trazem o momento em que o narrador quer contar algum ponto das biografias: de netos e avós: AS DUAS PONTAS e FLORESCER; de uma menina cuja descoberta da dor traz tristeza profunda: A VISÃO DE ANA; de patos se metamorfoseando em isolamento e morte: FÁBULA DRAMÁTICA e de formandos: DEPEDIDA. Em todas as crônicas o narrador se encontra à frente no tempo de um acontecimento e vasculha o tempo anterior. Esse tempo localizou um fato ou o início de ação que trouxe os personagens até o instante narrativo. Experiências afetivas incidiram, tocaram-nos dali por diante, seja o avô cuidado tomando sol no quintal, a morte da avó, o vídeo da morte de um cachorrinho, o endurecimento das penas ou a proximidade de uma formatura.
A vida está circunstanciada pela pós-modernidade, um momento de diversificação e divulgação de todo tipo de experiências, em detrimento das tais instituições antigas, como tempo, casamento, família, religião, cultura, educação, estética etc. Na verdade, é plena a multiplicação de afecções e, por conseguinte, de afetos. Todos, na sociedade de relações, inter-relações voláteis, veem-se estimulados a tantas experiências e, ao mesmo tempo, perdidos em meio a tantas consequências e sensações de suas experiências e do movimento potencial que elas produzem ou podem produzir. Os entes, os participantes sempre fomos “ilhas”, a princípio existe a delimitação e a fronteira do corpo. Vejo, ouço, sinto, movimento-me e penso em turbilhões de imagens de aparelhos eletrônicos e tecnológicos portáteis, acessíveis a quase todos pelas lógicas de mercado. As pessoas se afetam com/em experiências de um tempo simultâneo, virtual, sem distâncias; em destituição das conhecidas relações com as instituições. Exemplo de inter-relação ruim é como a pós-modernidade lida com os que formaram muitas afecções no mundo moderno, digamos até a década de 1980. Uma pessoa de 70 ou 75 anos, em 2016, pode adentrar nos bancos e descobrir que não há ajudantes para ajudá-los no caixa de autoatendimento, “os jovens de colete com logotipo do banco”. Afinal, se a agência está disponível em programas para celulares espertos (smartphones), como considerar e lidar com a ideia, com a instituição “Velhice ou Senilidade”? As Províncias Flutuantes somos nós envolvidos pela presença difusa e propalada de imagens das telas led, amoled, LCD, toutchscreen. Sejamos preparados ou não, pois também contemplam quem não lida com elas: contemplam com a rejeição e um certo banimento.  Os conflitos destes afetos banalizados, produzidos a qualquer hora e lugar, povoam as Províncias. A, ainda, intransigente relação com a instituição Morte, na organização Família é contundente em ÁRVORE ADMIRADA, CORREDOR HOSPITALAR e LIBERTAR O CORPO, por exemplo. Vivências da instituição família atingida pelas feições da morte seja pela proximidade e possibilidade, como na velhice, estão na melancolia de AS LARANJAS; ou na desolação da vida sufocada e abafada por outras urgências, mas que, ainda sendo aceita, não acontece, não vigora como sentimos em LEITE MATERNO.
Os afetos são os atos e as providências cujas consequências são nossas sensações, prazerosas ou não. As motivações são multiplicadas, diversas e incompreendidas. Pois, considerando-se o volume da vida virtual, o tempo para entender é obsoleto. O capítulo IV são os diálogos afetivos entrelaçados em algum momento entre Fernando Rocha e os personagens, entes, protagonistas da cultura, que, também respondendo a experiências de seus contatos com o próprio tempo lançaram músicas, livros, estilos e personalidades na Babel que é o Mundo Líquido, ou seja, o que substitui as antigas instituições, que vestiam a fantasia de imutáveis, de perenes.  Nós, os viventes deste ‘agora’, damos quais respostas a este mundo sem eternidade? As guitarras de Jeff Buckley e Tom Yorke ou as composições de Nick Drake talvez tragam alguma resposta rápida ou paixões condensadas.... Quem sabe alguma certeza perene nas imagens do Ninil e a bela Cristina? Tudo afeto. As músicas, as fotos e as respostas ditas aqui, com suas imagens, concretizadas nestas crônicas poéticas.  Bons encontros e diálogos do autor com a cultura, já que se firma o pacto de SEMPRE EM FRENTE, mesmo com sensações de vazio ou falta de sentido.
O capítulo V traz a última resposta deste livro: os afetos são as agitações de nossa consciência, que, advindos de motivações favoráveis, potencializam nosso corpo para adentrarmos mais um passo na instituição Devir ou Futuro. É mais um passo, todos os dias. Assim permanecemos e findamos, mas a ANUNCIAÇÃO, que nomeia o capítulo é a de que percebamos o caminho, o trajeto e os tais afetos, potencializadores de nós mesmos em algum momento.

Otacília Andrea Sales
[ler na íntegra]

terça-feira, 20 de setembro de 2016

0

Pequenas histórias 243

Na umidade


Na umidade das mãos escorre gotas de chuva salpicando a carne sonolenta de saudade quando não se sabe do que e nem de quem. Em cada gota há o sorriso perdido do menino encolhido nos lençóis de jornais. Em cada gota o velho trôpego, maltrapilho, enrolado nos amarfanhados trapos da vida, encolhido se arrasta rente à parede como se dele fosse culpa de ser idoso. Há tanta coisa e as coisas que há ficam perdidas nos cantos da casa ao desapego de seus habitantes.
O relógio marca o momento do passado encravado na pele dos objetos mudos e surdos. Obediente, o percurso do tempo, encarcerados em prédios de agonia mórbida, fixados por pigmentos de ácido na tela do medo, representam a palidez de uma época falida. Não há salvação sem desprendimento palpável. Sem ressentimento de qualquer tipo. Sentimento, aliás, não tem vez, não é relevante sua importância diante dos sadismos utópicos enovelando o masoquismo da perda de identidade.
Somos o que somos sem salvação, engolfados no capitalismo vegetativo consumista lutamos para manter a respiração de nadador. Não representamos valores antigos, queremos impor nossos valores desprezando costumes e tradições de cultura sendo jogado no lixo fetos e mais fetos dos nossos fetos apodrecidos na vagina da cidade.
Ao luar cinzento o mendigo ergue sua taça de vinho imaginário e brinda a vida feliz, a sua vida de felicidade.


pastorelli
[ler na íntegra]

sábado, 17 de setembro de 2016

0

REFÉNS




Poderia apertar aquele parafusinho minúsculo e a coisa voltaria a funcionar perfeitamente. Bastaria um quarto de volta em sentido horário, com uma chave philips e pronto. Problema de mau contato. Mas olhei pra cara da freguesa e vi que ela devia usar Lancôme da testa à unha do pé, e que só aquele solitário na mão direita valia mais que a minha oficina inteira. Então pintei a coisa bem preta para valorizar o serviço. Pelo menos três dias na bancada, para testes no voltímetro. Provavelmente era o diodo do transistor com o relê de amperagem em corrente descontínua, e pra trocar a pecinha só substituindo a placa toda – importada do Japão. Seria uma das hipóteses, mas para ter certeza, só abrindo tudo e aferindo cada um dos componentes na oficina.

- Olha, dona, por enquanto a senhora acerta comigo a visita técnica. Pode ficar tranquila que só toco o serviço com a aprovação do orçamento. Mas se for isso mesmo que estou pensando, melhor vender como sucata e comprar outro. Também não vale a pena levar à Autorizada, eles vão querer cobrar umas três vezes mais da senhora. Mas olha, pode ficar à vontade, pelo amor de Deus, não estou querendo forçar nada, faça como quiser...
Daí a três dias ela liga perguntando se o orçamento está pronto. Valorizo um pouco mais, digo que tenho que baixar o manual de especificações atualizadas do produto no site do fabricante e peço que ligue de novo depois de amanhã, mas que provavelmente é aquilo que lhe disse. Ela torna a ligar no sábado às nove, eu prometo para segunda. Na segunda eu confirmo a morte prematura de todo o circuito impresso. Ela vende para mim mesmo o aparelho ainda na caixa por R$14,50 e já pede que eu encomende um novo. Falo com aquele meu brother da Santa Ifigênia, e combinamos 350% em cima do preço de custo. A título de honorários. Aperto o parafuso da belezinha que me caiu no colo por R$14,50 e passo pra frente pelo preço do novo, para outro cliente.


********


Está tudo esquematizado, Lontra. A gente começa falando em possibilidade de apendicite - pela alta ingestão de milho verde na véspera associada à estafa física causada por 16 voltas ininterruptas no pedalinho do lago municipal, conforme relatado pelo próprio paciente.

Mas vamos devagar para não assustar a família, até porque a gente sabe que o cara não tem nada. Se começar a meter muito medo, eles vão atrás de uma segunda opinião e aí a gente se encrenca.

Ratazana libera os trâmites necessários para os exames preliminares, os raios X e os laboratoriais de rotina. Esquema quinze/quinze/quinze pra cada um dos três, como acertado. Golfinho, homem de confiança do Pantera, coordena todo o processo de diagnóstico por imagem (lembrando que aí o esquema é sessenta/dez/dez/dez/dez e que é indispensável a rubrica do Potranca, para a perícia não pegar).

Daí pra frente a gente coloca o infeliz num tomógrafo e diz que o milho verde do quiosque reagiu quimicamente no duodeno e seus grãos transmutaram-se em quistos, um caso incomum mas não propriamente raro nos anais da medicina. Aí a gente diz que é necessária uma ressonância para sacramentar o diagnóstico. Como todos sabem, este exame ter de ser no cash. Mas tudo bem, sondei a ficha e vi que o infeliz é fazendeiro em Palmas. Quanto aos honorários fica 50% para mim e a outra metade para dividir com o zoológico, conforme organograma. Peço que o Avestruz envie cópia deste aos demais envolvidos, que deverão deletar esta mensagem assim que lida. Bom trabalho a todos.

© Direitos Reservados
[ler na íntegra]