terça-feira, 6 de março de 2012

0

Abraçado

Abraçado ao teu corpo
após o êxtase fenomenal
sinto-me um desigual
em todo o mundo dos mortos;
Da morte do gozo vadio
do arrepio que é tão efêmero
De em ti estar como um fêmeo
parindo um outro imortal.

Seja o primeiro a comentar: