quinta-feira, 22 de novembro de 2012

2

Por que as mariposas buscam insones?




Já os olhos dos homens seguem calados.
Perdidos de tantas vidas,
em seu longo jejum de atitudes
imersos em suas existências omissas.
Parasitas de sóis e estrelas
vidro fosco entre o luar e a razão.

A indiferença a essa luz que os perpassa
prenuncia o ser cego,
inclinado a parecer correto,
desterrado,
que se deixou na terra
a invejar os colibris.

Por que as mariposas buscam insones
o brilho no olhar da criança?

 Morte às mariposas!!!?
Morte às crianças!???
Roga o olhar do homem em lágrimas,
o fim da poesia.

(do livro Verdes versos - 2007)

2 comentários

Jorge Xerxes

Jorge,

Belo Poema!

Gostei especialmente da seguinte estrofe...

A indiferença a essa luz que os perpassa
prenuncia o ser cego,
inclinado a parecer correto,
desterrado,
que se deixou na terra
a invejar os colibris.

Um forte abraço,

Jorge

Malu

Sim, às vezes estamos tão ávidos e sedentos de LUZ que quase nos matamos indo ao seu encontro de forma inconsequente, porém a poesia há de perecer sempre... mesmo que na penumbra.
Abraços