quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

3

DÚVIDA


A cumplicidade dos olhares sincronizados pela espontaneidade acontecia com frequência, a fuga rápida antecedida por um breve, mas intenso sorriso, as horas de eventos como estes, se transformavam em semanas, quinzenas e meses.
  O receio da má interpretação dos sinais físicos, o faziam temer, que tudo aquilo fosse mera ficção, uma maneira elegante de sofrer.
  Uma mão sentia o corpo da amada (rápido resvalar de braços), isto o convencia de que não estava errado, de que era correspondido, e que podia transmitir oralmente seus sentimentos, mas a autocensura o desencorajava.
  Outro dia chegava ao seu final, mais um: - Tchau, até amanhã! Fazia com que levasse dentro da pasta, de volta para casa mais do que o material de trabalho, carregava seu segredo e a dúvida de que se deveria ou não compartilhá-lo com a habitante do seu pensamento. 

3 comentários

Anônimo

Sempre no limiar do Ser.Cada escolha mergulha mundos na sombra. Como decidir então? Ser livre é coisa muito séria. Como encarar e ser responsável por uma miríade de caminhos diferentes? Lembrei da canção o medo de amar, do Beto Guedes.
Abração,
Daniel Lopes

Nelma Ladeira

Olá adorei seu blog!
Que seu Natal seja completo, pleno de amor e felicidade..

Marcia Barbieri

Senti uma atmosfera dos diários de Kafka. A timidez, o percurso até a nudez do pensamento do outro, os sinais, a confusão amorosa... seus textos sempre me arrebatam!

um beijo