terça-feira, 9 de julho de 2013

2

O BAILE

Censura baixa, sentimento de liberdade pulsando alto, a música, meticulosamente escolhida para agradar a maioria dos presentes. Os corpos próximos, bebidas, desejo extremo, o canto do salão: Proximidade...
  Instinto animal maior do que o já fraco apelo da razão, fato consumado, leve arrependimento: Preocupação. A iminência do retorno para casa, sem opção de um outro lugar para aonde pudesse ir, a dança continuava, mesmo sem som, sorrisos e vozes uma fatia de ilusão sobre a dura realidade.



2 comentários

Carlos Davissara

Linguagem rápida e precisa, de um escritor que demonstra cada dia mais dominar o gênero conto.
Em tempos de efemeridades e vazios, esse texto vem bem a calhar.
Parabéns ao autor e ao site.

Anônimo

Uma dança rápida, a vida, uma valsa oca... Adorei! Quem sabe esse entre no próximo livro.

um beijo!

Marcia Barbieri