terça-feira, 17 de janeiro de 2012

3

A chuva

Sônia Pillon

Chove, não chove, chove, não chove, chove, não chove... ou chove?!

Chove que chove, chove que chove... que não chove mais, que volta a chover, que chove, chove, chove...

Chuva que chove, que não chove, que faz sol, que já fez, que vai fazer, que não faz mais... que vem e que vai, que vai e vem, sempre!

Chuva que é como a Vida, que cai como lágrimas, que molha a face...

Chuva que inunda, que transborda, que faz desmoronar, que desaloja, que faz perder tudo aqui, que traz a Morte, porque é em excesso, e que falta lá, onde gota nenhuma há...

Chuva que seca, como o sol que cai na relva, e que no instante seguinte aquece, ilumina, traz alegria e esperança...


Chove, não chove, chove, não chove, chove, não chove... ou chove?!

Chove que chove, chove que chove... que não chove mais, que volta a chover, que chove, chove, chove...

Chuva que chove, que não chove, que faz sol, que já fez, que vai fazer, que não faz mais... que vem e que vai, que vai e vem, sempre!

3 comentários

Sônia Pillon

Inspirado nas chuvas que não cessam em Jaraguá do Sul, Santa Catarina, e no Sudeste do Brasil, mas que faltam no Rio Grande do Sul, no extremo Sul...

jorge vicente

Minha querida,

muito bom o seu texto. A lembrar não só a chuva, mas o movimento da Vida, do devir da Vida, com todas as suas implicações, alegrias, tristezas, e tanta coisa mais!

Tenho de mandar um texto. Já tenho alguns para mandar, mas o tempo quase me mata!

Muitos beijinhos, querida amiga!
Jorge

Sônia Pillon

Obrigada, Jorgito!

A ideia foi justamente essa... As palavras foram surgindo, caindo, como a chuva, e foram se formando...

Muitos beijinhos para você também, querido amigo!
Sônia