segunda-feira, 19 de novembro de 2012

4

gênese


As vozes dissonantes no espaço,
Lançadas à força do pensamento,
Vagam sem destino até que o traço
As põe em mais modesto firmamento.

E o texto segue com mil vozes dentro,
Prisão e liberdade, o papel casto,
Inerte sobre a mesa em um momento,
Em poucas linhas faz-se o mais devasso.

O aço da palavra é sempre o mais fugaz
Em que se malha dia e noite, frio e quente,
Em busca da forma que faz e se desfaz.

E finalmente quando a têmpera é atingida
Lança-se a seta que cura a tua ferida
Enquanto outras seguem a te tirar a paz.

4 comentários

Lola

Lindo soneto, minha irmã.
A vida é bem assim: sempre
há algo por buscar. Que não
nos percamos nesta busca.

Jorge Xerxes

Márcio,

Belo e Inspirado:

E finalmente quando a têmpera é atingida / Lança-se a seta que cura a tua ferida / Enquanto outras seguem a te tirar a paz.

Catarse Poética!

Grande Abraço, Jorge

Marcelo Pirajá Sguassábia

Palavra falando sobre a palavra, belo soneto metalinguístico. Meu abraço de admiração.

Márcio Ibiapina

Cara Lola e caros Jorge e Marcelo,
Fico gratíssimo pelos gentis comentários. Abraço, Márcio.